quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

QR code e jornalismo: por que essa interface ainda é tímida na mídia impressa?

A discussão em torno da sobrevivência da mídia impressa ou sobre a crise instalada sobre ela é cada vez mais recorrente no círculo acadêmico e nos grupos de comunicação. Novos modelos de negócios ou a adoção de novas tecnologias que façam o impresso renascer ou conquistar um público mais próximo de interfaces computacionais ou de celulares são apontados como saídas para o futuro. O Kindle, da Amazon, tem sido referenciado como uma das possibilidades para tal empreendimento. E por lá já estão grandes jornais dos Estados Unidos e até do Brasil - O Globo e Zero Hora - (veja lista de jornais para Kindle). Será mesmo o Kindle o salvador? O jornalismo impresso precisa realmente de uma tecnologia de distribuição salvadora ou é seu modelo de gestar os conteúdos que deve mudar? Ou ambas as coisas?

Para o analista de mídia e consultor de tecnologia e negócios, Rob Durst, em entrevista, "jornais e revistas devem parar de tratar suas publicações como produtos fixos" e pensá-los a partir da interface com o conteúdo online e móvel. Para isto ele propõe a implantação de QR Code nas publicações impressas para oferecer conteúdos extras e multimída (via leitura no celular) para seus leitores (de jornais e revistas).

"They can do this using mobile codes, which are essentially printed barcodes that readers “click on” using a camera phone—kind of like clicking on a Web link with a mouse. QR (quick response) codes are a good example. They are in widespread use throughout Asia. QR codes contain a Web address, and your phone’s browser automatically connects to that Web site when you take a picture of the code with your camera phone."

Na entrevista Rob Durst coloca também o potencial das tecnogias de ruptura como os leitores de e-books Kindle (Amazon), O Nook (Barnes & Noble) e o tablet (da Apple). Porém ele aponta vantagens e desvantagens nessas tecnologias tácteis digitais. Entre as vantagens estão a portabilidade, a facilidade de leitura e uma conexão maior com recursos web de hiperlinks. Entretanto, ele aponta que a desvantagem ainda está no tratamento estático do e-print (transposição) que contrasta com as características dinâmicas da Web.

Os leitores de tinta eletrônica como o Kindle e o QR Code são duas formas novas de transportar a leitura de jornais para plataformas portáteis digitais que se sobrepõem ao constrangimento do papel impresso. As experiências em andamento neste campo ainda são incipientes e sem dados concretos. O caso específico do QR Code foi implantado pioneiramente no Brasil pelo Jornal A Tarde de Salvador e posteriormente outras grandes publicações adotaram o recurso como o Correio Braziliense. A pouca disseminação ou conhecimento da tecnologia nos celulares ainda é um empecilho, mas é necessário criar a cultura. O uso do QR Code na Ásia é bastante disseminado, mas no Brasil ainda é incipiente. Verificamos seu uso por aqui de forma ainda localizada, especificamente na mídia como nos jornais mencionados e em projetos acadêmicos e artísticos. Mas está cada vez mais claro que a mídia impressa precisa avançar nesse sentido para perceber a necessidade de uma interface maior com as mídias de características online.

O Celular nos parece o dispositivo mais conveniente para essa conexão, principalmente por causa dos leitores de QR Code instalado. Portanto, três questões são fundamentais apontar como se tratando de empecilhos para um uso mais sitemático dessa tecnologia: 1.Desconhecimento da tecnologia QR Code por boa parte dos usuários de celulares; 2.Planos de banda larga móvel caros; 3.Uma cultura das empresas de visualizar essa conexão entre interfaces incipiente ou com estratégias que não levem em conta a particularidade de cada mídia e uma narrativa transmidiática (como prega Jenkins no livro Cultura da Convergência).

5 comentários:

alinevonsovicz disse...

Pode ser que agora, com a entrada do Kindle no Brasil sem a cobrança de impostos, as empresas de comunicação se vejam 'obrigadas' a migrar para este meio. A demanda por parte de usuários vai crescer e isso vai ser necessário.
Beijoos, Fernando!
=*

Fernando Firmino da Silva disse...

Oi Aline. Penso que o caminho poderá ser por ai. Mas o Kindle que entra no Brasil via Amazon paga imposto de importação. Por isso que mesmo sendo vendido a 252 dolares se paga quase 1000 reais pelo produto. Ainda é caro. Mas vamos ver como fica esse cenário. A tendência é que outros grandes jornais distribuam seu conteúdo por lá também.

Nota Livre disse...

Claro que estas novas interfaces tecnológicas abrem bons caminhos, mas acredito que o jornalismo impresso deve investir nele mesmo, ou seja, em reportagens investigativas e interpretativas. Se diante do surgimento da TV, isso já se fazia necessário, agora com esses novos dispositivos tecnológicos, torna-se mais premente. A crise é mais do conteúdo que da forma, neste sentido. Em tempo, comprei seu livro, estou esperando chegar e ansioso em lê-lo.

Fernando Firmino da Silva disse...

George Brito, você tem plena razão. O jornalismo impresso deve investir no papel que ele, me parece, consegue cumprir muito bem: a reflexão, o aprofundamento de questões para a sociedade. E isto nenhuma tecnologia consegue extrair ou expressar. No meu ponto de vista devemos visualizar a tecnologia como complementar e como parte integrante desse exercício. Novas plataformas, novas tecnologias não terão êxito algum se não se pratica jornalismo de qualidade, com poder reflexivo. Neste aspecto o jornalismo precisa investir mais. As tecnologias que surgem como suporte podem ser a interface adicional para novas formas de acesso a essa qualidade jornalística que nem sempre se pratica nos jornais atuais. Aliás acredito que a função das tecnologias como QR Code ou leitores de livros eletrônicos é ser mais uma interface para o que você coloca como necessário e urgente: as reportagens investigativas e interpretativas. A crise no jornalismo deveria ser apenas em termos de modelo de negócios, mas infelizmente tem atingido estes pilares fundamentais do jornalismo. Resgatando estas características originais teremos uma paisagem midiática fabuloso e ocupando cada um seu espaço ou criando interfaces apropriadas entre eles: jornais, tv, rádio, internet, celulares e o que mais vier.

abraços e obrigado pela aquisição do livro.

Brasil Empreende disse...

Ola visitei seu blog e gostei muito e gostaria de convidar para acessar o meu também e conferir a postagem de hoje: Jornalismo Globalizado: Um esforço alto a ser reconhecido. Aproveite pra participar das enquetes para escolher os protagonistas de 2009.
Sua visita será um grande prazer para nós.
Acesse: www.brasilempreende.blogspot.com
Atenciosamente,
Sebastião Santos.