sábado, 29 de agosto de 2009

Redes sociais, política e protestos na web


Veja a reportagem da TV Assembléia da Bahia sobre redes sociais, política e manifestação na internet. Entre os entrevistados está o Yuri Almeida do blog Herdeiro do Caos e eu também. Eu destaco o fato de que as apropriações de ferramentas da rede como Twitter para as manifestações na rede vão criar interface com o espaço urbano levando estes protestos para o espaço urbano. Para localizar especificamente esta matéria vá até os 14min40s.

(só uma ressalva: os créditos dos entrevistados estão trocados: onde aparece Fernando Firmino leia-se Yuri Almeida e vice-versa).

sábado, 15 de agosto de 2009

Lançamento da edição especial sobre comunicação móvel da Wi: Journal of Mobile Media


Wi: Brasil

O Mobile Media Lab (MML) Montreal-Toronto está feliz em anunciar o lançamento do número especial do Wi. Journal of Mobile Media, disponível on-line em http://www.wi-not.ca/. Os editores convidados, Dr. Fabio Botelho Josgrilberg (Universidade Metodista de São Paulo) e o Dr. André Lemos (Facom/UFBA, Bahia) apresentam neste número nove artigos sobre o contexto específico brasileiro. Todos escritos por autores brasileiros cuja competência e interesse abrangem disciplinas como comunicação, filosofia, semiótica, psicologia social, economia, sociologia e estudos culturais.
Os artigos cobrem uma gama de assuntos incluindo: comunicação móvel, tecnologias móveis no jornalismo, redes sem fio na cidade, mídia locativa, vigilância, espectros políticos e cultura dos motoboys.Wi está livremente disponível on-line e é uma produção colaborativa do MML. Utilizar programas de fonte aberta permite ao Wi mobilizar uma integração de imagens, texto, vídeo e sons. Os artigos estão também disponíveis para impressão em PDF.Visitem o website da Wi e tenham uma excelente leitura.

Conselho Editorial da Wi
Kim Sawchuk
Andrea Zeffiro
Michael Longford
Barbara CrowJanice
LeungSanja Obradovic

**********************************************************

Wi: Brazil

The Mobile Media Lab (MML) Montreal-Toronto, are pleased to announce the launch of special issue of Wi Journal of Mobile Media. It is now available online at http://www.wi-not.ca/.
Guest-edited by Dr. Fabio Botelho Josgrilberg (Metodista, São Paulo) and Dr. André Lemos (Federal University of Bahia) this issue features nine articles that address the specific context of Brazil.
All are written by Brazilian authors whose expertise and interests span the disciplines of communications, philosophy, semiotics, social psychology, economics, sociology, and cultural studies. The topics cover a range of issues including: mobile communication, mobile technologies in journalism, wireless in the city, locative media, surveillance, spectrum politics, and moto-boy culture.
Wi is freely available on-line and is a collaborative production of the MML. Using open-source software allows Wi to maximize the hyper-linked integration of image, text, video, and sound.
Visit the Wi journal website and have a good read!

The Wi Editorial
TeamKim Sawchuk
Andrea Zeffiro
Michael Longford
Barbara CrowJanice
LeungSanja Obradovic

**********************************************************
Wi: Brésil

Le Mobile Media Lab (MML) Montréal-Toronto est heureux d'annoncer le lancement du numéro spécial de Wi. Journal of Mobile Media est disponible en ligne à http://www.wi-not.ca/.
Les rédacteurs invités, Dr. Fabio Botelho Josgrilberg (Université Méthodiste de Sao Paulo) et Dr. André Lemos (Facom-UFBA, Bahia) ont réuni dans ce numéro neuf articles sur le contexte spécifique brésilien.
Tous les textes ont été écrits par des auteurs brésiliens, dont l'expertise et l'intérêt touche des sujets comme la communication, la philosophie, la sémiotique, la psychologie sociale, l'économie, la sociologie et les études culturelles. Les articles couvrent un large éventail thématique, notamment: la communication mobile, le journalisme mobile, les réseaux sans fil dans la ville, les médias de location, surveillance, spectres politiques et la culture des "moto boys".
Wi est disponible gratuitement en ligne et est une production collaborative du MML. L'utilisation des logiciels libres de source-ouverte permet à Wi l'intégration d'images, de textes, de vidéos et de sons. Les articles sont également disponibles pour l'impression en PDF.
Visitez le site web de Wi. Nous vous souhaitons une excellente lecture!

Comité de rédaction de la Wi
Kim Sawchuk
Andrea Zeffiro
Michael Longford
Barbara Crow
Janice Leung
Sanja Obradovic

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

TV ao vivo no iPhone: será o futuro da recepção de tv em mobilidade?

Os dispositivos móveis cada vez mais se sofisticam no quesito produção e consumo de informação em mobilidade. As redes móveis (Wi-Fi e 3G) mais celulares como iPhone desencadeiam novas práticas como assistir tv ao vivo do celular distante das torres de transmissão das tvs abertas. Não me refiro à recepção de sinal da tv digital no celular que o modelo japonês implantado no Brasil permite, mas que não avançou ainda pela falta de celulares disponíveis no país de forma mais acessível. Alguns celulares disponíveis no mercado (legal e pirata) vêm com receptor de tv aberta, mas no formato anterior das mini-tv (com sinal comprometido pelo alcance da cobertura e pelo movimento do usuário). A diferença mesmo está acontecendo com as aplicações para iPhone que permitem ao usuário assistir em streaming ao vivo programação de emissoras de tv ou ouvir rádio como a BBC de Londres e Al Jazeera. Neste caso aqui o canal de tv pode ser classificado "sem fronteira" uma vez que não importa onde o usuário se encontra desde que uma conexão Wi-Fi ou 3G esteja disponível. Em vídeo a BBC demonstra como funciona sua aplicação no iPhone e, abaixo, outro vídeo apresentando transmissões no celular. A Livestation é uma das responsáveis pelas aplicações. O importante é situar essa evolução e as implicações que representam na forma de assistir tv tendo a portabilidade e a mobilidade como fatores novos. No Japão mais de 70% dos que têm dispositivos móveis assistem televisão pelo celular.

Live TV iPhone app for Broadcasters from Joe Connor on Vimeo.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Dossiê sobre Comunicação Móvel no Brasil

Acaba de ser publicado o número especial do Wi: Journal of Mobile Media sobre o Brasil com a temática Comunicação e Mobilidade. Tive o prazer de participar desta edição, à convite de Andre Lemos e Fábio Josgrilberg, com o artigo Mobile Technologies as production platforms in Brazilian journalism, onde apresento uma discussão sobre o jornalismo móvel com a indicação de algumas experiências do país a partir do uso de tecnologias móveis e conexões sem fio na rotina jornalística. Esta edição certamente é a publicação que aborda com mais profundidade o fenômeno da comunicação móvel no Brasil como Estado da Arte contribuindo efetivamente para as discussões na área. Abaixo todos os artigos disponíveis para leitura:


It is a great pleasure to present Wi: Journal of Mobile Media’s third issue. What differentiates it from previous issues is its focus on a single country, namely, Brazil. More importantly, with views, cases and theoretical discussions made by Brazilian researchers and artists.

MOBILE COMMUNICATION: THE BRAZILIAN PARADOX
By Eduardo Campos Pellanda

Cell phones are one of the icons of the post-modern age because they represent many possibilities converged in one single device. They connect people, and at the same time, they are used more generally to organize life through textual, audio and video platforms...

LOCATIVE MEDIA IN BRAZIL
By André Lemos

Paradoxically, mobility media are localization media. It is interesting to note that locative media, which emphasize places, are furnished by mobility technologies that combine devices (laptops, smart phones, PDA and...

RISKY APPROXIMATIONS BETWEEN SITE-SPECIFIC AND LOCATIVE ARTS
By Lucas Bambozzi

I'd like to address the term 'site' as a field of semantic migrations, as migrations that occur due to cultural dislocations, linguistic operations, technological influences, poetic licenses or theoretical digressions.

"WE ARE AS WE MOVE ON": MOTOBOYS ICONOMIC EVOLUTION IN SÃO PAULO
By Gilson Schwartz

Man is born free, and everywhere he is in chains. Many a man believes himself to be the master of others who is, no less than they, a slave. How did this change take place? I do not know. What can make it legitimate?

MULTIFACETED COMMUNICATION PROCESSES: WHICH THEORIES?
By Lucia Santaella

In the South American context, especially in Brazil, the main theories adopted by scholars of communication studies for decades have been the critical theories rooted in the Frankfurt School, ?

DISTRIBUTED SURVEILLANCE: VIDEO, MONITORING AND MOBILITY IN BRAZIL1
By Fernanda Bruno

Surveillance and mobility have historically maintained close relations: the demarcation of borders and territorial protections, the control of migration and the flow of people, goods, diseases etc. all represent ancient lineages of the intersections between these two processes (Salter & Zureik,...

MOBILE TECHNOLOGIES AS PRODUCTION PLATFORMS IN BRAZILIAN JOURNALISM
By Fernando Firmino da Silva

Mobile communication studies have expanded from within various disciplinary areas (in sociology, communication, cyberculture and cultural studies, for example), instigated by they way that practices arising from the emergence of new digital mobile technologies1 and wireless connection...

WIRELESS INTERNET ACCESS: THE SAME OLD PROBLEM AND THE CITY?S NEW AGENDA
By Fabio B. Josgrilberg

Over the last few years, the provision of wireless broadband internet access has become part of governmental agendas at all levels, and in many different locations (Middleton & Crow, 2008). This inclusion of yet another 'new technology' on the political agenda, however, belies...

CLOUDS OF OPEN CONNECTION: OPEN SPECTRUM, DIGITAL TELEVISION AND DIGITAL INCLUSION
By Sergio Amadeu da Silveira

Low income communities and individuals in Brazil are now grasping the importance of the Internet. The boom in blogs and user-friendly databases worldwide have greatly expanded hypertextual writing and the production of news and information across the web. Even television programs disseminate...

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Redação do Wall Street Journal


Find more photos like this on The Next Newsroom Project

Flash mob na TV

O canal Multishow colocou no ar um novo programa chamado Mob Brasil. A idéia é funcionar como uma flash mob pelas ruas de São Paulo com ações inusitadas. O programa é apresentado pela ex-vj da MTV, Didi Wagner. O segundo episódio do programa abordou o tema "Privacidade". Foram convocados vários "fotógrafos" para simularem uma ação de paparazzis. Porém no lugar de famosos o alvo eram pessoas comuns, que ficavam desnorteadas sem entender o que estava acontecendo. Veja o vídeo abaixo:

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Experiência de transmissão com o TwitCam: aplicação une o Twitter e webcam


Hoje participei de uma experiência interessante (GLOBAL TWITTER) unido o Twitter e LiveStream à convite do João Simão do Comunicamos e professor e pesquisador em Ciências da Comunicação na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Portugal. A experiência aconteceu da seguinte forma: as pessoas enviavam via Twitter as perguntas e eu respondia ao vivo em streaming. Foram em torno de 20 minutos respondendo sobre jornalismo móvel. Como a plataforma estava em beta seguem algumas considerações.

1.Utilizei a nova aplicação de stream chamada TwitCam da LiveStream lançada recentemente e que está integrada ao Twitter. Você entra com seu login e senha do Twitter no TwitCam, aciona a webcam e começa a transmitir instantaneamente e a gravação ficar armazenada em seguida para embed em blogs e sites.

2. A plataforma Global Twitter do Comunicamos reunia no mesmo ambiente a transmissão e as perguntas formuladas via Twitter.

3. A principal limitação de uma transmissão como está no fato de que outras pessoas não podem participar ao vivo e simultaneamente fazendo questões além do uso do Twitter. Outro problema identificado é a baixa resolução da tela quando ampliada, cheia. Em alguns momentos há um certo delay, mas nada comprometedor do acompanhamento.

A experiência valeu a pena pela facilidade e porque a ferramenta demonstrou estabilidade na transmissão com um áudio muito bom e sem queda e a flexibilidade de você conectar tudo pelo Twitter lançando, inclusive e automaticamente, o link para seus seguidores. (assista abaixo o vídeo na íntegra).